quinta-feira, março 05, 2009

Modelo? Não, obrigado!

Ih, lá vem na minha direção mais um chato. Espero que não me encha o saco. “Oi, posso roubar um minuto do teu tempo?” Sim, e os segundos já começaram a contar. Era a vontade de responder, mas além de educado, sou burro e disse somente sim. “Meu nome é fulano e sou representante da agência de modelos X. Gostei do teu perfil e gostaria de te convidar para uma seleção.” Hmm, obrigado, mas eu não tenho interesse. Tudo mentira. Tenho interesse sim. Entrar para o mundo fashion, badaladações entre outras coisas... Me diz quem, quem não se interessaria por uma vida “bonita”? Além de poder juntar uma grana legal sem fazer muito esforço. Proposta tentadora. Oferta recusada.

Recusei porque, por mais atraente que seja, viver a minha vida centrada no meu corpo é de longe o que quero para mim. Em nome de uma beleza, perde-se saúde, perde-se vida. No mundo dos modelos, o que eles querem é o padrão de beleza que preza pela juventude. Ela e a beleza que ela tem são passageiras. Não deve existir nada mais frustrante do que dedicar a vida inteira à aparência e a idade chegar, carregando consigo todas as perdas da juventude. O corpo sustenta o espírito, mas eu acho que tendo o segundo bem alimentado, sabemos lidar melhor com as situações que a vida nos reserva. Por isso, prefiro cultivar meu espírito, alimentando-o com arte - música, cinema, literatura. Tendo o espírito bem alimentado, adquirimos auto conhecimento e aprendemos a lidar melhor com nossos defeitos.

Além disso, do mesmo que uma coisa entra na moda, ela sai. Em questão de segundos, tu passa de super estrela para um desconhecido. É só alguém com um perfil melhor que o teu aparecer que tu entra para a geladeira. Engraçado essa palavra, perfil. Quando me falaram, me imaginei entrando em uma esteira, indo para o abate, enquanto as feras me aguardavam. Ao chegar na boca dos leões, receber o adesivo de RECUSADO. Recusado porque não fazia o perfil procurado. É a bariguinha que tá meio saliente, é o cabelo que ficaria melhor com outro corte, é o sorriso que precisa de um aparelho para ficar alinhado. Não nasci para ser julgado por pessoas que nem ao menos estão nos critérios que estão me avaliando. Haja autoestima para agüentar pessoas apontando os teus defeitos. Muitas vezes, não temos como mudar traços de nosso corpo. E é falta de amor próprio, fazer uma intervenção cirúrgica a fim de ficar com o nariz, o abdômen, a bunda ideal. Que me amem pelo que sou.

Tá, eu me rendo e confesso. Ouvir que eu faço o perfil de alguém era tudo o que eu precisava ouvir. Necessitava ouvir algo assim. Afagou o meu ego de uma forma que não se tem explicações. E eu admito, brincar de modelo é uma das coisas que eu quero fazer antes de morrer. Acho que não, mais cedo, antes do 30. O melhor é ser modelo, não sendo modelo, apenas como uma diversão. E se essa diversão fosse por uma causa beneficente, mataria dois coelhos numa cajadada só. Se Carrie Bradshaw, Serena van der Woodsen tiveram seus momentos na passarela, por que eu não poderia ter?

Nenhum comentário: