terça-feira, agosto 04, 2009

Tudo tem uma razão para acontecer?

Passado e futuro são idealizados por todos. O primeiro por ter sido maravilhoso, o segundo por ser promissor. Porém, o encontro deles é onde tu estás agora: o presente. O presente é o mais cruel de todos, porque ele está sendo o tempo todo. O presente é gerúndio puro. E é no presente que são feitas as escolhas. Escolhas que provavelmente definirão nosso futuro.

Sendo assim, caímos na tentação de afirmar que o presente é fruto do passado. Isso significa que os erros cometidos no passado nos perseguirão pelo presente e, quem sabe, pelo futuro também? Tudo é uma questão de carma? O que fizermos agora voltará para nós futuramente? Se cometemos um erro, estamos fadados a pagar por ele por quanto tempo até que a divida seja finalmente quitada? Será mesmo que tudo tem uma razão para acontecer?

Tanta coisa ruim nos acontece. Tantas que nos fazem não querer repetir a experiência nem recebendo dinheiro para isso. Se pudéssemos apagar essas experiências de nosso cérebro, a la Brilho eterno de uma mente sem lembranças, com certeza apagaríamos. Bem, de fato, essa de longe é a solução para nossos problemas. Ela pode até ser útil, porque o sofrimento causado pelas decepções vai embora, mas apagar uma coisa que te machucou pode significar também que tu reacendes a possibilidade de cair no mesmo buraco novamente. Por mais frustrantes que sejam as nossas experiências, elas fazem parte da gente e vão dizendo a respeito de nossas futuras ações.

Se tu te entregaste fácil demais e no fim só se magoou, aprendeu a ir devagar. Se tu foste mal na prova, aprendeu a estudar mais. Se contou algo para quem não é digno de confiança, aprendeu a ser criterioso. Se tu não sabias como reagir diante de tal situação, agora já sabe. E mesmo que já passamos por uma experiência frustrante, podemos tê-la novamente. Raios caem, sim, duas vezes no mesmo lugar. Tudo é uma questão de aprendizado, e não falo de escolas e universidades. É aquele velho papo de viver e aprender.

Nenhum comentário: